625 – Freddy vs Jason (2003)

2003 / EUA / 97 min / Direção: Ronny Yu / Roteiro: Damian Shannon, Mark Swift / Produção: Sean S. Cunningham; Stokely Chaffin. Douglas Curtis, Robert Shaye, Renee Witt (Produção Executiva) / Elenco: Robert Englund, Ken Kirzinger, Monica Keena, Jason Ritter, Kelly Rowland, Chris Marquette, Brendan Fletcher, Katharine Isabelle, Lochlyn Munro

Acho que um dos melhores “crossover ” que já existiu com certeza é que envolve os filmes de terror. Desde o começo do cinema de horror vemos obras como “Frankstein vs O Lobisomem“, “King Kong vs Godzilla” e também os mais recentes como “Demonic Toys vs Puppet Master“. Mas um que nasceu em 2003 e que é simplesmente espetacular é o clássico contemporânea “Freedy vs Jason” de 2003.

Eu lembro quando aluguei em DVD o filme e foi uma das coisas mais espetaculares que já fiz. Eu simplesmente adoro tudo nessa produção. Vale a pena ressaltar que esse projeto era para acontecer nos anos 80, mas por conta de uma briga de estúdios, não aconteceu naquela época. Séria interessante ver essa obra produzida naquela época porque com certeza teríamos mais uso de efeitos práticos por exemplo.

O filme foi dirigido por Ronny Yu que dirigiu obras como um dos melhores filmes de “kung-fu” de todos os tempos que é “O Mestre das Armas” de 2006 e também um dos melhores filmes que você assiste de surpresa e acha muito bom que é “Baladas, Rachas e Um Louco de Kilt” e também outro clássico da trasheira que agora virou um filme cult que é ” A Noiva de Chucky” de 1998. Então só por isso conseguimos ver o gabarito do diretor.

Mas acho “Freedy vs Jason” uma das melhores coisas já feitas. Não só por essa reunião, mas também de como ele começar de um jeito despretensioso até chegar num filme de vingança até chegar numa produção de “porrada” com os maiores nomes do cinema de horror. Outro ponto legal é como o filme respeita o legado de cada filmes então vemos várias coisas tanto da mitologia do Freddy como do Jason até vermos seu final em “Crystal Lake“.

A história começa quando Freddy Krueger (Robert Englund), o carniceiro de Springwood, assassinou dezenas de crianças. A população, tomada por uma total revolta, fez justiça com as próprias mãos e Freddy foi queimado vivo. Isto não impediu que ele continuasse praticando crimes, pois voltava através dos sonhos dos jovens e fazia atrocidades ainda maiores. Os moradores de Springwood resolveram fazer com Freddy algo que o deixou mais irritado que ter sido mandado para o inferno: o condenaram ao esquecimento. Todas as menções sobre sua existência foram apagadas e os jovens que ficaram mais traumatizados com suas macabras aparições foram mandados para um sanatório, onde tomavam uma droga experimental, Hypnocil, que os impedia de sonhar, o que impedia que Krueger agisse. Isto faz com que ele perca as forças gradativamente. Tentando se vingar, Freddy manipula alguém que estava com ele no inferno: Jason Voorhees (Ken Kirzinger). Freddy o manda aterrorizar os jovens da Elm St., assim a cidade pensará que ele voltou. Seu plano não acontece como o planejado, pois Jason começa a matar todas as “crianças de Freddy” e isto realmente o enfurece. Mas quando Jason descobre que Freddy o usou, um confronto entre os dois se torna inevitável.

A ideia do “crossover” deu mais que certo, visto pelo seu orçamento e bilheteria. Ele custou um valor de 30 milhões para ser feito e no final arrecadou 114 milhões, ou seja, deu mais que certo. Fora  que colocou uma “pá de cal” no assunto de quem ganharia essa luta. Lembrando que eles já se enfrentaram também em histórias como “Freedy vs Jason vs Ash” que é uma história em quadrinhos muito boa. Vale a pena ler e também agradecer por essa história finalmente ter sido feita.

Nota

Baixe o filme com legenda aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *